Só os nerds podem nos salvar

Eles estão na moda porque são coerentes
© Dream Cursor / Fotolia
Li faz tempo um texto de Miguel Sokol e, estimulado por sua perspectiva desafiadora, resolvi fazer um texto na mesma direção, com um quê de paródia. O resultado, logo abaixo, é para fazer sorrir e pensar (não exatamente nessa ordem...).
 
A cantora Sandy, que marcou uma geração como a queridinha do Brasil, agora dispara em entrevistas e ensaios fotográficos que não quer mais a imagem de garota boazinha e comportada. Marcelo Camelo fez sucesso com o hit pop grudento Ana Júlia e agora só quer saber de MPB. 
 
O Oscar, a premiação mais tradicional do cinema, a cada ano copia descaradamente o formato descolado do MTV Movie Awards. O sertanejo universitário jura que ainda é sertanejo, o Ronaldinho Gaúcho virou carioca (e depois mineiro) e até as Havaianas deixaram de ser o chinelo do povo para ser a sandália das celebridades! Será que todo mundo quer ser o que não é? A minha resposta seria sim, não fosse a existência dos nerds.
 
Pense: Você já viu algum nerd interessado em assistir ao jogo de futebol da quarta à noite? Lembra-se de algum nerd que gosta de pagode? E um ex-BBB nerd, conhece? Claro que não. O nerd é um raro caso que é o que é em um mundo em que todos querem ser o que não são. Só os nerds admitem que, mesmo adultos, ainda leem quadrinhos, jogam videogame e colecionam bonequinhos de brinquedo. 
 
Só eles vestem sem vergonha algumas roupas de seus super-heróis favoritos e não têm medo de dizer que as piadas mais engraçadas do seriado The Big Bang Theory são sobre computação ou física quântica.
 
Só os nerds ainda são o que são, e é por isso que eles estão na moda. Eles são o exemplo vivo de que a coerência (e a persistência) pode vencer a massa. Em uma sociedade na qual as pessoas insistem em ser o que não são, quem é coerente com a mensagem que prega faz sucesso. 
 
E o pior é que os nerds conquistaram a admiração e o respeito da sociedade defendendo valores e representando ícones como o Super-Homem, Luke Skywalker ou Mario Bros.., mesmo que, para isso, tenham enfrentado o bullying antes do bullying ter sido inventado! 
 
Já nós, cristãos, temos ao nosso lado a bandeira da saúde, da educação, da caridade e da família. Ainda assim, mesmo com causas tão nobres e heroicas, muitos continuam acovardados, sem fibra para viver na plenitude a mensagem que representam. Têm medo de pagar o preço. E logo nós, que seguimos Jesus Cristo, o maior ícone de todos os tempos! E logo nós, que acreditamos no amor, o mais sublime dos valores! 
 
É por isso que digo: o exemplo dos nerds pode nos “salvar” da incongruência entre o que cremos e o que praticamos, entre o que dizemos e o que somos. Como não precisamos aderir a tudo aquilo que os nerds defendem, deveríamos ao menos seguir seu exemplo de perseverança, autenticidade e coerência.
Autor: Allan Novaes - Publicado em: 29/05/2013 - Fonte: