Compartilhamento na Wikipédia

Esperança de uma nova lógica no mundo digital
© BirDiGoL/ Fotolia
“Se posso dar algo, eu dou.” Todo mundo concorda que o compartilhamento é uma boa ideia. Mas na prática é muito difícil de ser aplicado. E o mundo digital abre ótimas possibilidades para isso, como no caso da Wikipédia.
 
A Wikipédia é aquela enciclopédia virtual que a maior parte dos professores abomina. Eles têm suas razões para isso, e várias delas são muito boas. Primeiro, a versão brasileira não é das melhores. Além de disseminar um português sofrível, muitos artigos são inconsistentes. Quando se trata de uma explicação sobre uma ideia ou conceito, o drama é multiplicado ao quadrado!
 
É totalmente diferente a situação da enciclopédia coletiva em outras línguas. As versões em inglês e alemão, por exemplo, são muito completas e confiáveis. Em 2007, uma pesquisa na Alemanha comparou a Wikipédia com a Brockhaus, uma das mais tradicionais daquelas bandas. Na maior parte dos critérios, a Wikipédia venceu a concorrente. Mais recentemente surgiu um estudo nos Estados Unidos que chegou a conclusões semelhantes. 
 
Mas por que no Brasil ela não é tão boa? A Wikipédia é um projeto aberto. Cada usuário pode redigir um artigo, acrescentar, modificar ou corrigir informações livremente. Por isso, a Wikipédia costuma refletir a cultura que seus usuários têm. É totalmente diferente das famosas enciclopédias que nossos pais costumavam comprar e expor como troféus nas estantes, e que mostram o conhecimento que seus editores têm. A Wikipédia é uma enciclopédia feita pelo povão. Se o povo não tem estudo, sua enciclopédia vai ser bem fraquinha. É o nosso caso, no Brasil.
 
Então, sob esse aspecto, seu professor tem razão ao criticar a Wikipédia. Mas ela também tem suas vantagens! No que diz respeito a dados factuais, mesmo a versão brasileira é muito boa. Por exemplo: Quando nasceu D. Pedro I? A melhor solução é ver na Wikipédia. Qual foi o placar da semifinal entre Brasil e Uruguai na Copa de 1970? Wikipédia na cabeça. E quem era o presidente dos Estados Unidos em 1950? Você já sabe onde procurar. Artigos sobre grandes acontecimentos, instituições e pessoas também são atualizados rapidamente, o que adiciona outra vantagem.
 
Mas lembre-se: isso vale somente para informações factuais. Quer saber no que acreditam os budistas? A Wikipédia brasileira não é uma boa opção. E quais foram as principais ideias de Albert Einstein? Também não vá para lá, porque é um samba do crioulo doido. Se você não sabe nada sobre esses temas, vai sair de lá pior ainda: sem saber nada e achando que sabe.
 
Apesar dos “pesares”, a Wikipédia é uma boa ideia porque se baseia no compartilhamento, e não há ideia mais revolucionária do que compartilhar. Nossa sociedade prega que compartilhar é bobagem, o melhor é dar somente em troca de alguma coisa, seja dinheiro ou favores. Assim quem não tem nada a oferecer – e é justamente quem mais precisa – fica com pouco poder de barganha. Isso acontece também com conhecimento e cultura, que poderiam ser distribuídos livremente com custos muito baixos através dos meios digitais, mas muitas vezes são restringidos.
 
É por isso que a Wikipédia é interessante. Ela oferece uma nova lógica e nos acostuma com outro tipo de sociedade, na qual dá mais quem tem mais. Uma lógica mais inclusiva. É uma possibilidade que o mundo digital cria, já que ficou muito mais barato distribuir cultura agora do que no tempo em que o conhecimento tinha que ser impresso. Ela vai prevalecer? Só o tempo dirá. Por enquanto, essa ideia é apenas um oásis no meio do deserto. Há um monte de outras características do digital que concorrem justamente para o caminho inverso, para excluir os outros. Mas isso é um papo para nossa próxima conversa!
Autor: Tales Tomaz - Publicado em: 02/09/2013 - Fonte: