O tijolo que fala

A inscrição que aponta para a existência de Nabucodonosor
Arquivo pessoal

Você que acompanha esta coluna e tem interesse no diálogo entre a história e a Bíblia, certamente vai gostar de visitar o Museu de Arqueologia Bíblica Paulo Bork, localizado no interior paulista, no campus do Unasp em Engenheiro Coelho.

Entre os diversos itens da exposição, chama a atenção um tijolo que veio direto do Iraque para o Brasil, meio que por coincidência, mas que contém uma inscrição significativa. Nele está escrito: “[eu sou] Nabucodonosor, rei de Babilônia. Provedor [do templo] de Ezagil e Ezida; filho primogênito de Nabopolassar”. Essa inscrição, embora simples, é mais uma das evidências que apontam para a confiabilidade da Bíblia.

No livro de Daniel (1:1, 2), Nabucodonosor foi o rei responsável pela destruição de Jerusalém, do templo de Jeová e por escravizar enorme número de judeus, levando-os para a cidade de Babilônia. Segundo o livro também, por meio de alguns desses exilados, Nabucodonosor acabou conhecendo o Deus de Israel e O reconheceu como o Altíssimo, Aquele que é maior que todos os outros.

Devido a essa improvável conversão de um rei pagão e pelas predições precisas descritas no livro de Daniel, até o século 19, os críticos não podiam conceber que fosse verdadeira qualquer história desse trecho da Bíblia. Por causa disso, até a existência de Nabucodonosor era questionada pelos céticos.

Mas, após a descoberta de Babilônia, em 1806, pelo arqueólogo Claudius James Rich, as coisas começaram a mudar. A partir dessa época, muitos avanços também foram feitos para decifrar a língua dos babilônios. Próximo à virada do século, em 1899, enquanto Robert Koldewey escavava as ruínas de Babilônia, centenas de outros tijolos como o mencionado foram encontradas contendo o nome de Nabucodonosor.

Além disso, em 1956 foi publicado o conteúdo de um grupo de tabletes que demorou décadas para ser traduzido: as Crônicas Babilônicas. Nesse documento, entre outras informações está um relato da destruição de Jerusalém que confirma a descrição bíblica sobre o mesmo evento.

E para ajudar a completar esse quebra-cabeça, em escavações na área da Cidade de Davi, em Jerusalém, foram encontrados resquícios de enorme destruição. Em um dos níveis da antiga construção, foram achadas flechas babilônicas misturadas com pontas de flechas locais, além de inscrições que mencionam os nomes de Baruque, filho de Nerias (Jr 32:12) e de Gemarias, filho de Safã (Jr 36:10), pessoas que, provavelmente, tivessem testemunhado a invasão babilônica e a destruição de Jerusalém.

A conclusão que podemos tirar à vista dessas coisas é de que aqueles que desejam encontrar razões para descrer, sempre encontrarão motivo no silêncio da arqueologia, assim como muitos não acreditavam na existência de Nabucodonosor, até que as “pedras clamaram”. Mas, o desenrolar da história e o desenvolvimento das pesquisas têm trazido à tona evidências que confirmam a veracidade da Bíblia. Evidências de que os autores bíblicos foram conduzidos por Alguém que conhece o futuro e intervém na história.

Autor: Matheus Grillo - Publicado em: 10/04/2014 - Fonte: