Caos

O contexto perfeito para o crescimento espiritual
© tiero / fotolia
Para alguns, talvez esse título beire à heresia. Afinal (escutei a vida toda), “Deus é um Deus de ordem”. E de fato é. Mas boa parte dos humanos normais vive num contexto urbano bastante desordenado. Caos talvez seja a melhor palavra para descrever a vida nas cidades. Quem sabe, ao lançar outro olhar sobre esse “caos”, você perceba que é o lugar perfeito para o florescer da vida espiritual. 
 
Em geral, a espiritualidade é percebida como absoluta ordem. Descrevemos as pessoas espirituais como aquelas que oram por longas horas, leem a Bíblia regularmente, nunca ficam com raiva ou gritam, possuem uma conexão direta com Deus, não sofrem de depressão ou angústia, sabem as repostas certas para todas as perguntas e têm sua vida sob controle. 
 
Mas, e quanto ao resto de nós que vivemos em cidades com esposo ou esposa, três filhos, um cachorro e papagaio? E quanto aos jovens solteiros que trabalham 60 ou 70 horas por semana e têm que aguentar todo mundo perguntando por que não casaram ainda? E quanto aos universitários que, confusos ou iludidos por seus sonhos, rebolam em um malabarismo frenético para dar conta das crescentes demandas, expectativas e desejos? E o que dizer dos adolescentes que sofrem com o divórcio dos pais? 
 
Para os habitantes das cidades, a sensação de que a vida está fora de controle é constante. Parece que estamos sempre um passo atrás e dizemos em desalento: “não tô dando conta”.
 
As imagens que usamos para descrever o “céu” são estáticas, perfeitamente controladas e tranquilas. As pessoas trajando vestidos longos e brancos, acariciando leões quase preguiçosos à beira de um rio cristalino. Por mais maravilhoso que esse cenário pareça, ele não reflete o ritmo acelerado das cidades e, talvez, seja até percebido como monótono ou entediante por alguns. 
 
Confesso que, na adolescência, por vezes pensei que esse “céu” não era para mim, um jovem bagunceiro, confuso e inquieto. Com certeza mancharia os vestidos brancos, turvaria a água cristalina e calma do rio de cristal, perturbaria os tranquilos leões, enfim, estragaria a cena tão bem controlada. Na verdade, minha luta era para encontrar uma espiritualidade que fizesse sentido para minha realidade caótica diária.
 
Levou um tempo até que eu percebesse que talvez essa espiritualidade comportadinha, por vezes emburrecida e automatizada, da pessoa religiosamente perfeita, não fosse realmente espiritualidade. Nada contra os que apreciam a vida monástica, a solitude reclusa ou o abandonar tudo para dedicar-se exclusivamente ao estudo e à oração. Mas existe uma espiritualidade que convive perfeitamente bem com nossa vida urbana caótica e com nossas famílias corroídas pelo tempo contemporâneo. 
 
Aos 38 anos de idade, comecei a desejar ter 60 pensando que nessa idade teria amadurecido e aprendido, afinal, os segredos e atalhos da vida. Pensava que cometeria menos erros e conseguiria ter mais domínio do mundo ao meu redor. De repente, deparei-me com uma carta de um dos grandes escritores sobre espiritualidade que começa assim: “Minha vida é uma confusão (...) tenho quase 60 anos de idade (...) eu acreditei que os anos me ensinariam tudo de que precisava saber e que quando fosse mais velho teria aprendido as lições da vida e descoberto os segredos da verdadeira espiritualidade. Estou mais velho, bem mais velho, e os segredos ainda são segredos para mim. A única coisa coerente na minha vida espiritual é a incoerência.”
 
É no cenário bagunçado cotidiano que conhecemos, aprendemos e exercitamos dependência, humildade e fragilidade. Em meio aos desafios, acertos, fracassos, dúvidas, medos, angústias e tentações aprendemos a clamar por nossa verdadeira identidade. No meio do barulho, da fumaça e da correria encontramos um Deus ativo e mobile capaz de Se mover com agilidade, exercer força extraordinária e tocar gentilmente nossa face. 
 
De dentro do entulho que nos cerca, levantamos as mãos, vozes e pensamentos em direção a Ele. A esperança brota no meio do caos. A luz brilha na penumbra confusa e a obra de arte divina vai se completando em nós dia a dia. 
 
Afinal, espiritualidade não é um destino ou estágio a ser alcançado. Espiritualidade é a jornada daquele que de dentro do emaranhado diário levanta os olhos e os braços e se apega nAquele que tudo pode. A instabilidade e incoerência fazem parte da jornada simplesmente porque fazem parte do ser humano. 
 
Mas é exatamente na nossa fraqueza que reside a força da vida espiritual. A instabilidade sempre estará presente porque insistimos em desviar os olhos e soltar a mão do Deus poderoso que nos mantém em sanidade. 
 
De fato, a história bíblica é repleta de pessoas que foram transformadas em meio à bagunça e confusão da vida: Noé, Moisés, Davi, Salomão, Ester, Pedro, Saul, entre outros. Essas pessoas eram corajosas, brilhantes, amantes de Deus, destemidas, leais e cheias de vontade de ser fiéis a Deus. Ao mesmo tempo eram assassinos, adúlteros, depressivos, orgulhosos, covardes e ansiosos. 
 
No fim das contas, a vida é sempre um caos em que Deus trabalha a perfeita espiritualidade de transformação. Deus continua sendo um Deus de ordem, mas não deixa de ser o Deus do caos que aperfeiçoa seu poder na fraqueza (2Co 12:9). 
 
Graças a Deus por isso!
Autor: Paulo Cândido - Publicado em: 06/12/2013 - Fonte: