A se virar sem dicionário

Entender a estrutura das palavras e decorar laguns radicais gregos e latinos pode ajudar você
Rogério Chimello

Você se considera uma pessoa inócua, loquaz ou rubicunda? Se você não tem tanta intimidade com o Português, não se desespere: para isso serve o dicionário. Mas, convenhamos, ninguém leva um Aurélio pra todos os lugares, muito menos quando se tem um gadget na mão. Por isso, a Conexão 2.0 vai ensinar você a descobrir o significado de boa parte das palavras sem precisar de dicionário e, acredite, sem internet.

 

Pegue no ar

Muitas palavras da nossa língua têm origem no grego e no latim. Basta aprender alguns radicais (raizes das palavras), prefixos (o que vem antes da raiz) e sufixos (o que vem depois) pra “pegar no ar” o significado delas. Veja alguns exemplos: 

 

A palavra xenofobia (aversão a pessoas ou coisas estrangeiras) vem da união xeno (estranho ou estrangeiro) + fobia (medo). Xenomania, por outro lado, vem de xeno + mania (loucura) e significa paixão por tudo que é estrangeiro. Falando em louco, manicômio vem de mania + cômio (lugar de tratamento).

 

Sabe a diferença entre ovíparo e ovívoro? Ovíparo vem de ovi (ovo) + paro (que produz) e significa “animal que põe ovos”. Ovívoro, por sua vez, vem de ovi + voro (que devora, que come) e significa “animal que se nutre de ovos”.

 

Quem escreve certo tem uma boa ortografia, orto (direito, correto) + grafia (escrita). Pra consertar o sorriso a gente vai ao ortodentista, ou ao ortopedista pra arrumar a postura.

 

Radical sempre igual

Valem algumas máximas também: Tudo que tem o radical logo tem a ver com estudo: Geologia (estudo da terra), Patologia (estudo das doenças, não dos patos!), Teologia (estudo de Deus), etc. Tudo que tem cida, mata: homicida, suicida, genocida. Tele tem a ver com distância: telefone, telescópio. Teca está ligado a coleção: biblioteca, videoteca. Tudo que tem zoo é animal: zoológico, zoologia, etc.

 

Prefixos

Eles ajudam bastante. Por exemplo: Hiper está relacionado a excesso ou superioridade: hipertensão, hiperatividade, hipermercado. Meta tem o sentido de mudança, transformação ou aquilo que vai além: metáfora, metamorfose. Pos traz a ideia do que está depois: posterior, póstumo, postergar.

 

Sufixos

Dá pra brincar com eles também. Quando o assunto for profissões, lembre-se do “ãodorista”: cirurgião, vendedor, dentista... Pra quem gosta de exagerar, pode ser íssimo, érrimo ou limo (belíssimo, palpérrimo, facílimo). No diminutivo: acho, eto, inho/inha, ote (riacho, livrinho, filhote).

 

Daí é só ir juntando prefixos, radicais e sufixos pra ter um glossário mental que, com certeza, vai fazer você arrebentar a boca do aeróstato... quer dizer, do balão!

 

Para ter acesso a uma lista completa, procure uma boa gramática ou digite “radicais, sufixos e prefixos gregos e latinos” no seu buscador.

 
Fontes: Domingos Paschoal Cegalla, Novíssima gramática da Língua Portuguesa (Companhia Editora Nacional, 2011); Paulo Flávio Ledur, Português prático (AGE, 2001); Edmon Neto de Oliveira, Morfologia – processo de formação de palavras – radicais, prefixos e sufixos (e-Tec Brasil).
Autor: Eduardo Rueda - Publicado em: 01/04/2013 - Fonte: