Estudar aqui e no exterior

Programa de intercâmbio dos colégios adventistas utiliza instituições internacionais da rede e oferece vários níveis de imersão cultural. Veja qual é o melhor para você
Leblu

Após horas no avião que cruzou o Oceano Atlântico, decolagem no Brasil e pouso na ilha do Reino Unido, os olhos dos alunos dos colégios adventistas não param de se movimentar. Quase como um cego que tateia uma mesa que não conhece, eles observam todos os cantos do cenário sedutor e desconhecido. Talvez, nem tão desconhecido assim. Já no primeiro passeio pelas ruas de Londres é possível identificar as casas típicas das terras da monarquia mais badalada do mundo.

A paisagem quase uniforme e monocromática devido ao padrão de construção das fachadas das casas londrinas é quebrada quando o ônibus passa pelo Palácio de Buckingham. Ali, definitivamente a vista já não era estranha. Era como se todos já tivessem passado por lá, seja por meio de notícias em telejornais, cenas de filmes ou vídeos do YouTube.

Depois da euforia de conhecer lugares turísticos, ponto comum em todos os programas de intercâmbio oferecidos pelo mercado, os alunos vão para o Newbold College, localizado no distrito de Binfield, a 56 km de Londres. Lá, por mais que eles nunca tenham visto – ou até ouvido falar – do campus, existe algo de familiar: eles estão numa instituição adventista. Uma das 112 faculdades e universidades mantidas pela denominação ao redor do mundo.
Isso permite que os alunos usufruam de toda a estrutura física de um colégio interno – o que inclui quartos, lavanderia, refeitório, complexo esportivo e salas de aula. Tudo num mesmo lugar e com os mesmos valores e princípios com os quais os estudantes da rede estão acostumados aqui no Brasil.

Confiança dos pais

A credibilidade da rede educacional adventista tranquiliza os pais, o que acaba pesando na hora de apoiar o filho a fazer uma viagem que, muitas vezes, é a primeira sem a família. "A Educação Adventista absorve o aluno. Meu filho é tratado como meu filho, não um qualquer. Isso faz toda a diferença", aponta Jonas Aguilar, cujo filho, Jonas Aguilar Júnior, participou do intercâmbio em junho de 2013, na época com 14 anos.

Atualmente, os quatro programas oferecidos pela rede são coordenados pelo Instituto de Línguas do Unasp, campus Engenheiro Coelho (SP). O intercâmbio no qual Jonas Júnior participou é específico para alunos do 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio de qualquer unidade da rede (veja a tabela “Níveis de imersão”).

Além de ser o mais tradicional programa de intercâmbio adventista, existe há mais de dez anos, é também o mais popular: mais de 20 mil alunos já participaram. Nessa modalidade, o estudante passa 15 dias no exterior alternando aulas de inglês com visitas turísticas escolhidas pela própria turma.

Teoria e prática

Para melhor aproveitamento pedagógico, o aluno passa por uma avaliação do nível de conhecimento do idioma estrangeiro. A partir disso, as turmas são organizadas. Nas salas de aula, gramática e pronúncia são os temas de estudo. Porém, durante os momentos de passeio e compras, os alunos têm a experiência de se virarem sozinhos para falar outro idioma.

A proposta do intercâmbio inclui uma série de situações pelas quais o estudante deve passar que substituem o famoso dever de casa. Nessa lista de tarefas, está incluso fazer perguntas específicas a vendedores, por exemplo. Assim, o aluno é incentivado a perder a vergonha, principal empecilho para conversas com desconhecidos em lugares públicos.

"A gente sabe falar, mas a gente fica com receio: 'será que eu vou errar?'. E eles [os moradores locais] compreendem a gente, mesmo se errarmos alguma pronúncia. Acho que pelo menos a maioria do pessoal da minha turma perdeu a vergonha", afirma Luana Gomes, de 17 anos, que esteve na mesma turma de intercâmbio de Jonas.

Já Samuel Santos, de 15 anos, compara a adaptação em solo estrangeiro como um pulo de barriga na piscina. No começo, o impacto pode até assustar, mas logo há a imersão na cultura local.

Destino certo

Funcionar numa rede mundial de escolas e universidades é uma das vantagens do intercâmbio oferecido pelos colégios adventistas. Mesmo os alunos que optam em participar mais de uma vez, podem contar com destinos variados. "Têm alunos que planejam ir durante os três anos do Ensino Médio. Então, algumas unidades escolhem ir para Roma e Londres em um ano e, no outro, o destino é Paris e Londres", explica o professor Antônio Marcos, coordenador da rede educacional adventista para o Estado de São Paulo.

A estudante Letícia de Souza, de 17 anos, que cursa atualmente o 3º ano do Ensino Médio, participa anualmente desde 2011. Ela faz parte do grupo de mais de 2,5 mil alunos que visitou e visitará a Europa entre os meses de maio e novembro. "Eu sou apaixonada pelo intercâmbio. Só estou imaginando quando me formar, que triste será me separar dos amigos e deixar de ir nessas viagens", afirma Letícia, que participou de uma das classes avançadas no inglês.

Apesar de ter opções como Estados Unidos e China, cerca de 90% dos alunos do Ensino Médio e Fundamental escolhem a Europa como destino. No velho continente, eles costumam ir para a Stanborough School e o Newbold College, ambos nas proximidades de Londres, ou para internatos adventistas na Alemanha, França, Itália e Espanha.

Intercâmbio para todos

Além do tradicional intercâmbio oferecido para todos os alunos de escolas adventistas do Brasil, existem outros programas com maior tempo de duração. A imersão cultural, por exemplo, acontece durante o verão do hemisfério norte e tem duração de um mês. Esse programa se estende aos alunos e ex-alunos do Unasp, maiores de 16 anos. Eles podem levar inclusive outras pessoas da família, desde que cumpram a exigência de idade mínima. É um programa mais aberto, que inclui aulas de 5 a 6 horas por dia, intercaladas com passeios turísticos que variam de acordo com o país.

Caso opte por ir aos Estados Unidos, o participante do summer immersion ficará hospedado na Andrews University, em Michigan. Além das aulas, são mais de 16 passeios turísticos que vão desde formalidades em comemoração ao 4 de julho, Dia da Independência americana, até passeios pela vila histórica adventista, na cidade de Battle Creek.

Mais tempo

Se o aluno quiser passar mais tempo imerso em cultura estrangeira, há duas opções de intercâmbio que duram 6 meses, com a possibilidade de prorrogação por mais 6 meses.

Nesses casos, porém, o processo para participar é mais burocrático. Devido ao número restrito de vagas, é necessário estudar no Unasp há pelo menos 6 meses e participar do processo seletivo, que avalia requisitos como desempenho acadêmico e disciplina do aluno.

Atualmente, o estudante que cursa o Ensino Médio tem quatro destinos disponíveis: Gem State Academy, em Idaho; Mount Ellis Academy, em Montana, Shenandoah Valley Academy, em Virgínia, todos nos Estados Unidos e; Stanborough School, em Watford (Inglaterra). Independentemente do local escolhido, o aluno pagará o equivalente às mensalidades de um estudante que reside em um quarto VIP do Unasp.

Já o universitário tem mais opções na Europa, o que inclui o aprendizado de outros idiomas além do inglês. Estão nas opções o Newbold College (Binfield-Inglaterra), Villa Aurora (Florença-Itália), Sagunto (Valencia-Espanha), Bogenhofen (Salzburg-Áustria). Nos Estados Unidos, os destinos são a Andrews University (Michigan), La Sierra University e o Pacific Union College, ambos na Califórnia.

Encontro com Deus

Além de aproveitar a estrutura física de uma rede de ensino mundial, o aluno que participa dos programas de intercâmbio adventista tem contato com os princípios e valores da instituição, que são os mesmos em qualquer lugar do globo. Isso inclui a filosofia de fazer cultos semanais, o que proporciona a muitos alunos uma experiência real com Deus.

Os estudantes que participam do intercâmbio de 15 dias, por exemplo, entram em contato com o CAYA (acróstico em inglês de “venha como você está”), programa realizado durante o sábado com os estudantes. “Dentro do programa, temos a oportunidade de mostrar para o aluno que, não importa onde ele esteja, é capaz de se encontrar com Deus. Além disso, nosso grupo de apoio sempre preza em mostrar para o aluno um estilo de vida coerente com as recomendações bíblicas", ressalta o pastor Rafael Cabral, coordenador-geral do intercâmbio.

Após o culto, realizado durante os sábados, a maioria dos alunos fica com os olhos cheios de lágrimas. Depois de voltarem para casa, são recorrentes as mensagens deles agradecendo pela experiência. Em uma delas, Gabriel Ferreira, aluno da Escola Adventista de Natal (RN), escreveu: "Uma coisa que eu não sabia é que a parte boa da vida é seguir a Deus. Até então, eu não gostava de Deus. Um dia espero poder retribuir isso a vocês."

De acordo com Gabriel, o pior momento da viagem foi a volta para casa. "Foi um desespero, uma sentença. Foi uma dor, deixar de viver um sonho." Talvez, esse sentimento de que o intercâmbio valeu a pena, seja comum para a maioria dos estudantes do programa.

Níveis de imersão

Intercâmbio cultural e linguístico - 15 dias - 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio
Summer Immersion - 30 dias - Alunos e ex-alunos do Unasp
Intercâmbio Ensino Superior - 6 meses - Aluno do Unasp há pelo menos 6 meses
Intercâmbio Ensino Médio - 6 a 12 meses - Aluno, há pelo menos um ano, do Unasp e colégios conveniados

20 mil alunos já participaram do intercâmbio da rede
A rede atende 1,7 milhão de alunos em quase 8 mil escolas e universidades em 115 países

Destinos

Estados Unidos

Gem State Academy (Idaho)
Mount Ellis Academy (Montana)
Shenandoah Valley Academy (Virgínia)
Andrews University (Michigan)
La Sierra University (Califórnia)
Pacific Union College (Califórnia)

Inglaterra

Stanborough School (Watford)
Newbold College (Binfield)

Itália

Villa Aurora (Florença)

Espanha

Sagunto (Valencia)

 

Áustria

Bogenhofen (Salzburg)

Autor: Lucas Rocha - Publicado em: 05/10/2014 - Fonte: